quarta-feira, março 07, 2007

Santo estresse

Resolvi enfrentar o forte calor da tarde de domingo para ver O Retrato Íntimo de Madame Shakespeare. À toa. Faltando dez minutos para o início da sessão, a produção informou que o espetáculo havia sido cancelado. A atriz Norma Bengell estava passando mal. Compreensível. Um amigo tinha ido ver a peça na estréia, na quinta-feira anterior. Um outro foi no sábado. Os dois saíram chocados do teatro. Norma Bengell não sabia o texto, não acertou praticamente nenhuma de suas falas. Ao ler o jornal de hoje, descubro que ela abandonou o espetáculo, alegando estresse emocional. No entanto, segundo a nota, ela já recebeu pela temporada inteira. Fiquei pensando na centena de amigos atores que trabalham por bilheteria, gente talentosíssima que, embora viva num país em que as crianças são arrastadas por sete quilômetros em carros conduzidos por marginais, ou derrubadas por balas perdidas no meio da tarde, não podem se dar ao luxo de render-se diante de um estresse emocional, porque tem contas a pagar. Porque precisam aparecer no teatro todas as noites. Porque respeitam suas platéias. Porque são profissionais. E porque não costumam receber por um trabalho que ainda não apresentaram. Que orgulho eu senti deles, destes meus amigos.

Um comentário:

Ismael C. disse...

por acaso é a mesma senhora que dirigiu 'o guarani'? aquela que saiu da amazônia atolada em jóias?