segunda-feira, setembro 10, 2007

Mulher-sanduíche

Impressionante a entrevista da atriz Juliana Paes na Folha de S. Paulo deste domingo. Tive de reler algumas declarações da moça para ter certeza de quão longe podia ir o raciocínio da atriz que estréia no sábado o musical Os Produtores. Garota-propaganda de uma marca de cerveja, ela banalizou as estatísticas que associam o consumo de álcool aos acidentes de carro. Depois, pediu para não ser fotografada ao lado de produtos da concorrência e precisou esconder suas unhas curtas, já que anuncia uma linha de unhas postiças. Por alguns instantes, eu já não sabia se ela era realmente uma pessoa ou algum tipo de painel publicitário, uma versão mais bela, desejada e esteticamente impecável daqueles homens-sanduíches que circulam espremidos entre placas de compra e venda de ouro pelo centro da cidade.

Há alguns meses, vendo televisão, tive um susto semelhante. Em um dos intervalos da novela das oito, acredito eu, apareceu a Ivete Sangalo anunciando uma marca de iogurte que tinha 0% de gordura. No bloco seguinte, estava ela de novo, desta vez para tentar vender um novo tipo de chocolate da Kopenhagen. Como um mesmo artista pode se prestar a papéis tão dinstintos: primeiro, tenta vender um iogurte sem gordura; cinco minutos depois, surge diante das câmeras com os lábios cobertos de chocolate...Ou bem uma coisa ou bem outra, penso humildemente. E fico assustado com o comprometimento da nossa classe artística com tantos produtos, com tantos lançamentos.... Priscila Fantin, outro dia, estampava um anúncio de copiadoras; Daniela Mercury aceitou dançar entre as prateleiras de um desinfetante; Suzana Vieira exibe com orgulho um adesivo para dentaduras; o rosto de Maitê Proença aparece gigante em um outdoor que anuncia apartamentos para a classe média-baixa e por aí a coisa vai indo.

Nossos intelectuais, depois que se convenceram de que o governo Lula está afundando sozinho, sem o auxílio de qualquer teoria conspiratória, entraram num processo de hibernação e só devem ser vistos passeando pelas alamedas da Cidade Universitária. Nossos artistas só mostram a cara nos anúncios publicitários. Dos políticos, Fernando Gabeira é um dos únicos em quem ainda vale muito a pena prestar atenção...E a gente vai ficando sozinho, sem nada e ninguém que nos transmita aquela velha e boa sensação de alma lavada. Daí a gente liga a televisão e já vê os anúncios da oitava edição do Big Brother Brasil. Se não estivesse tão quente, eu entraria debaixo do edredon e ficaria lá até o ano que vem...

2 comentários:

alberto disse...

é a sensação que eu tenho. e se tá quente pra entrar debaixo do edredon, não tá quente pra gente dormir com o ventilador do teto ligado. adoro teus textos. bjs

fran disse...

nossa, roveri, isso mesmo. a ivete sangalo anuncia iogurte com zero de gordura e depois fala de um chocolate com recheio da kopenhagen. a gana para ganhar $ e aparecer mais e mais é tamanha que os artistas nem param para pensar no que estão recomendando e como aconselham o público. saudades daquele tempo em que ainda tinha gente pública que só fazia anúncio quando confiava 102% num produto.