quarta-feira, junho 20, 2007

Eu quero ver Mônica Veloso de tailleur

Leio que a jornalista Mônica Veloso, pivô do escândalo que envolve o senador Renan Calheiros, está sendo assediada pela revista Playboy para posar nua. Torço para que ela não aceite. Não por qualquer questão moral - cada um que faça o que bem entender com suas xoxotas e pingolins. Torço para que ela não aceite porque, neste momento, quem precisa aparecer completamente nu são os fatos e não os envolvidos neles. Por maior que seja nossa tradição cultural de resolver alguns assuntos com as partes à mostra, seria bacana se a nudez revelada agora fosse a das notas fiscais aparentemente frias emitidas pelo senador, fossem os seus débitos com a Receita Federal, fosse a verdade sobre o valor dos seus bois superfaturados em tempos de febre aftosa, fossem seus cheques de mesmo número e valores distintos, fosse a conduta ética daqueles que o defendem no senado e lutam por sua permanência na presidência da casa.

Há tanta coisa que precisa vir abaixo neste país antes da calcinha e do sutiã de Mônica Veloso. Não se pode exigir que uma revista como a Playboy, neste momento, tenha algum freio ético - talvez seria demais esperar que seus editores, na reunião de pauta, dissessem assim: pô, vamos deixar esta mulher de lado, a nudez dela não é o que mais importa para o País neste momento. Há tantas outras mulheres cuja nudez acalentaria os sonhos masculinos sem interferir no rumo das discussões que podem trazer a público um pouco dos bastidores do Senado. Mas, com o perdão pelo excesso de vulgaridade que estou prestes a cometer, nas reuniões de pauta das revistas masculinas a cabeça que pensa é a de baixo. Novamente aqui não vai qualquer juízo moral - são as entranhas do jornalismo, atividade que tem de sobreviver do oportunismo como quase todas as outras. Mônica é a mulher da vez e, por ser jovem e bela, é natural que sua candidatura tenha sido lembrada pela revista.

Tenho alguns amigos, machistas de plantão, que condenam Mônica Veloso desde o primeiro momento. Acham que ela é oportunista, voluntariosa, chantagista e tudo o mais que se pode dizer a respeito de uma mulher disposta a usar a maternidade para extrair recursos financeiros abusivos do pai da criança. Eu nunca concordei com isso. EStou, a princípio, ao lado de Mônica e de toda e qualquer pessoa neste país que possa dizer alguma coisa séria e relevante contra a nossa classe política. Se Mônica é oportunista, ora, o que dizer dos políticos a quem ela acusa? Se ela faz chantagens para obter proveitos em benefício próprio, caramba, quem não faz isso em Brasília? Não acho que a vida deve se resumir a uma equação tão simples quanto a do olho por olho, não é isso. Mas, em casos de guerra, às vezes somos obrigados a usar as mesmas armas do inimigo. A exemplo dos amigos que desde o primeiro momento não acreditam na honestidade de Mônica, eu não acredito na honestidade dos políticos a quem ela acusa. Nos últimos anos, infelizmente virei um radical neste sentido: se existe qualquer suspeita contra um político, seja ele quem for, eu já acredito em sua culpa. Pode ser uma conduta deplorável, mas ela não surgiu à toa.

Para ficar em paz com minha consciência neste caso, resolvi simplificar a questão. Mônica Veloso nunca me deu, até hoje, nenhum motivo para que eu desconfiasse dela. Já não posso dizer o mesmo dos políticos. Assim, quem merece meu voto de confiança é ela. Pronto, simples assim. Playboy, deixem a mulher sossegada neste momento. Quando tudo isso estiver solucionado, se é que um dia vai estar, daí vocês despem a moça em paz - mas ainda neste dia vou torcer para que ela não aceite. Eu não gostaria, mesmo, de dar o braço a torcer para os amigos que desde o início dizem que ela é apenas mais uma que não quer largar o osso. E lanço aqui uma sugestão: por que alguma revista não convida o Vavá pra posar pelado? Escândalo por escândalo, o irmão do presidente é um peixe bem maior que Mônica. E seu cachê, se levarmos em consideração a pobreza de suas negociatas, deve ser bem baratinho.

4 comentários:

flávia coelho disse...

Oi Sérgio, gostaria de ser mais otimista e acreditar na seriedade da tal Mônica, mas pra mim é quase certo que ela aceite posar nua, como já fizeram tantas outras mulheres envolvidas em escândalos políticos.
Minha desilusão é com a política sim, como vc sempre acredito na culpa, afinal tem tanta coisa escondida que qdo surge uma é de duvidar que não seja verdade.
Mas minha desilusão é grande tb com essas mulheres que se deixam ridicularizar em público, ofuscando o significado do escândalo inicial e ajudando a abafar esses casos.
A falta de ética das tais revistas masculinas realmente existe mas passa a ser uma questão secundária mesmo, diante de tanta sacanagem.
Enfim, é mais um escândalo que pode acabar em nudez.

Blog do Massa disse...

Oi, Flávia, é isso mesmo. Um amigo leu o ocmentário e me ligou para dizer o seguinte: que ela vai posar nua e que nada vai acontecer com o Renan. Ou seja, os dois vão são ganhando e a banana vai sobrar, de novo, pra gente.
Dá uma tristeza, né?
Beijão

Barbara disse...

Eu nao acredito na Mônica e muito menos no Renan. Infelizmente, essa é a realidade no país de oportunistas.

Cíntia disse...

Oi Sérgio, Acho que vivemos em uma sociedade machista e moralista que atira pedra na própria vidraça. Quem é Mônica Veloso? Uma mulher que se envolveu e se apaixonou por um homem casado ou uma mulher que viu nesse homem casado um belo pé de meia? Será que alguém sabe a exata resposta? Sinto-me uma tola quando faço juízo de valor. Depois cai a ficha e me pergunto: quem sou eu, além de uma mera jornalista, para saber o que se passa na mente humana? Sou um nada, acredite! Sou mãe solteira e não recebo pensão - até devia. E jamais na minha vida pensei em gestar por nove meses um ser, amamentá-lo, perder noites e mais noites de sono, abdicar, temporariamente, minha vida social apenas para aplicar que chama "golpe da barriga". Isto é insano. Apenas as mulheres que passaram e passam por isso têm a noção do que estou falando, do quanto é cruel ver Mônica ser chamada de vagabunda pra baixo. Sabe, cara, tenho uma visão menos manipulável. Será que o fato de Mônica ter exposto Renan Calheiros não é apenas fruto de uma vingança de uma mulher ferida, rejeitada ainda grávida, que teve que lutar na Justiça para ver a paternidadde de sua filha reconhecidade?? Estou me atendo apenas às questões que envolvem Mônica enquanto mulher. Sobre Renan: desejo que os processos que ainda estão tramitando no Conselho de Ética dêem resultado. Mas isso é apenas um desejo, que eu sei, não será realizado.