quinta-feira, novembro 13, 2008

Saudosa maloca

Eu sinto que esta crise econômica está subvertendo os tradicionais conceitos sobre ricos e pobres neste país. Só isso mesmo para explicar as correspondências estranhas que eu ando recebendo nas últimas semanas. A maioria delas diz respeito a lançamentos imobiliários de altíssimo padrão em bairros como Alto de Pinheiros, Vila Nova Conceição e Morumbi. Assim que o porteiro me entrega as cartinhas, eu já me pergunto onde raios eles conseguiram meu nome completo e endereço para tentar me vender apartamentos na faixa de um milhão de reais, no mínimo. Se eu estivesse vivendo uma fase mais desocupada, iria até tirar proveito deste boom imobiliário, porque algumas corretoras oferecem uma taça de prosecco para quem for visitar as obras. Pensei comigo: se eu visitar uns quatro lançamentos por dia, já volto para casa calibrado e feliz. Daí é só jantar e pegar no sono.

Mas nada se compara ao que me chegou ontem pelo correio: um canudo preto, de mais ou menos 60 centímetros de comprimento, como se embalasse um diploma gigante, em cuja superfície constava apenas isso: Poéme Cidade Jardim, em letras brancas bem bonitinhas. Abri. Dentro dele, um belíssimo anúncio feito em papel vegetal tentava me vender um apartamento nababesco neste exclusivo edifício Poéme Cidade Jardim. O anúncio era tão bonito que li até o final. Transcrevo aqui algumas informações na esperança de poder ajudar a corretora que tem me tratado tão bem: é apenas um apartamento por andar, com 410 metros quadrados, duas imensas varandas nas laterais do edifício e mais quatro varandas na fachada. Se existe alguma coisa na parte de trás eu não sei, porque o anúncio não mostra. São apenas oito unidades, anunciadas com o seguinte slogan que deve ter sido feito pelo Oswaldo Montenegro: “A inspiração é para poucos, porque poucos sabem apreciá-la. Aqui, apenas oito famílias terão o privilégio deste poema. Deixe uma nova métrica dar o ritmo dos seus dias, percorra os caminhos da inspiração. O mais belo poema já está pronto para se revelar a você. Basta descobri-lo”.

Não é meigo? A única coisa que senti falta é que eles não oferecem prosecco para quem for visitar os apartamentos já prontos. Não entendo nada de mercado imobiliário, mas acredito que qualquer um que quiser comprar um apartamento deste vai morrer, no mínimo, com uns dois milhões de reais. E então eu pergunto de novo: quem foi que passou meu endereço para esses caras? Só pode ser trote. A maioria dos meus amigos também moram em edifícios que abrigam oito famílias, mas oito famílias por andar. E todas vivem se matando, o que não deixa de ser uma farra.

Mas pensei, pensei e decidi que não vou comprar um apartamento no Poème Cidade Jardim. Os corretores que me desculpem, mas a reunião de condomínio lá deve ser muito chata. Oito famílias é pouco demais para o pau quebrar. E em pouquíssimo tempo a gente já vai descobrir quem foi que andou espalhando pelo prédio que a mulher do 31 está saindo com o cara casado do 52.

6 comentários:

Kiko disse...

Ei, o Oswaldo é legal! Humpf!!!
Hehehehehe.

tico iajo disse...

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
EXATO!

Anônimo disse...

também concordo. não compra não. e o oswaldo não é legal não. não se deixe levar pelo kiko que é jovem e apaixonado.
bjs guza

Anônimo disse...

Ola Sérgio , de novo eu aqui , então será que não tem como vc fazer um test drive nesses apartamentos ? durante 1 mes , veja bem já penso um mes que vc podera fazer uma festa e ainda morar em alto estilo , alis escolhe a cobertura pra ficar mais alto ainda , hauhauhau sabe o chato desses apartamentos o elevador já para dentro do seu apartamento na sua sala, e vc nunca cruza no corredor com os empregodos, dos outros apartamentos contando uma fofoca dos seu patrões hauhauhau , não compra mesmo, seria bem chato viu, mais o test drive seria bem divertido rs .
Marcelo 1

Só no blog disse...

Então, Marcelo, enquanto eu não tiver dois milhões de rais, acho que vou continuar morando por aqui mesmo, viu. Ao menos eu já decorei o CEP e conheço uns três ou quatro vizinhos. Tá bom demais....

Kiko disse...

Pô, Guzik, é nada. Rola mesmo um preconceito da classe teatral com ele, mas não sei por quê. Talvez porque as peças que ele escreve são horríveis. Mas ele tem músicas bacanas e é um puta intérprete. Eu diria que o melhor intérprete das canções de Chico Buarque.